Marcell Moraes é o 2º Deputado mais atuante da Bahia de acordo com o site Bahia Notícias

“Uma das obrigações mais fundamentais de um deputado estadual é a atividade legislar, ou seja, de criar, debater e aprovar leis que melhorem a vida e o bem-estar da sociedade do seu estado.
Liderando a lista de legisladores mais eficientes, que aparecem como autores do maior número de projetos com impacto no último mandato que se encerra nesta quinta-feira (31), estão os deputados Dr. David Rios (PSDB) e Marcell Moraes (PSDB). Os tucanos apresentaram, respectivamente, 94 e 89 propostas na AL-BA.
Dessas, apenas 4 foram sancionadas como lei e aprovadas pela Casa Legislativa. De todas as ideias, Moraes assistiu a transformação em lei a sua proposta de proibição de animais em espetáculos de circos e autorização do transporte de bichos domésticos em meios de transporte coletivos na Bahia.
O número de propostas apresentadas por Rios e Moraes foram diametralmente oposto ao apresentado pelos deputados Marcelo Nilo (PSB) e Fátima Nunes (PT). Os governistas não submeteram nenhum projeto de impacto nos últimos quatro anos como deputados e foram eleitos os legisladores menos eficientes da Legislatura (veja aqui). Nilo, inclusive, teceu duras críticas ao último ano da Casa. Segundo ele, houve “falta de discussões e projetos de deputados transitando” na AL-BA.
Apesar da atividade de escrever leis ser fundamental a qualquer deputado, um bom parlamentar também se dedica a outras atividades, como fiscalizar o executivo, debater no plenário e marcar presença nas comissões que discutem diferentes questões inerentes a Bahia.
CONHEÇA AS PROPOSTAS DOS DEPUTADOS
Marcell Moraes apresentou ideias, na sua maioria, em defesa dos animais, sua bandeira política identitária. O deputado sugeriu a proibição e a comercialização de foie gras (fígado gordo de ganso ou pato) no estado (veja aqui), mas também sugeriu melhorias para outros grupos da sociedade. Em 2017, por exemplo, Marcell teceu um projeto que obrigava o estado a divulgar os índices de violência contra a população LGBT na Bahia”.

 

FONTE: BahiaNotícias